Conheça os melhores tratamentos para cicatrizes

6 minutos para ler

Ter uma pele bem cuidada, lisa e uniforme é o sonho de todas, não é verdade? No entanto, ao longo da vida podem surgir marcas de acidentes, cirurgias, doenças e até mesmo de espinhas. A boa notícia é que os tratamentos para cicatrizes estão cada vez mais eficazes e acessíveis.

Você tem alguma marca que incomoda? Então, continue a leitura: neste post, falaremos sobre os tipos de cicatrizes e os tratamentos mais modernos. Confira!

Tipos de cicatrizes

Quando a pele é acidentalmente aberta, o corpo logo começa o processo de cura, que resulta em um tecido diferente, formando a cicatriz. A aparência varia de acordo com o organismo de cada um, o tipo de ferida e o local dela.

Algumas pessoas têm uma boa cicatrização, na qual em poucos meses não se nota a diferença entre a pele saudável e a recuperada. Já outras apresentam sinais mais aparentes e que não são atraentes esteticamente.

As cicatrizes podem ser classificadas em:

  • normotróficas: o local afetado fica quase imperceptível;
  • atrófica: há perda de tecido e ela tem aparência desnivelada com a pele;
  • hipertrófica: a produção de colágeno na cicatrização ocorre de forma desordenada, tornando a cicatriz irregular e em relevo;
  • queloide: é um excesso de tecido cicatricial originado de uma tendência do organismo da pessoa;
  • brida cicatricial: é quando a lesão é feita sobre articulações, gerando uma cicatriz que limita as funções da pele da região.

Tratamentos para cicatrizes

Hoje em dia, a medicina e a tecnologia andam de mãos dadas para oferecer os melhores procedimentos de saúde e estética. É possível encontrar tratamento adequado para cada tipo de cicatriz, devolvendo ao indivíduo uma pele mais uniforme, bonita e a função da parte do corpo lesionada, caso seja esse o problema.

Existem diversos tratamentos para cicatrizes, eles vão desde os caseiros até os mais elaborados, que precisam de internação hospitalar. A seguir, abordamos um pouco sobre cada um deles.

Pomada cicatrizante

A pomada cicatrizante não tem o poder de eliminar as marcas, mas a sua atuação acelera o processo de cicatrização, ao evitar infecções, reduzir a dor e prevenir anomalias na pele. É importante saber que ela só tem efeito se usada quando a lesão ainda não está totalmente curada.

Outro fator importante é que devem ter prescrição médica, pois a composição de cada pomada serve para um tipo de ferida diferente. Caso utilize a inadequada, você pode ter irritações na pele.

Cremes

Os creme também estão na lista de tratamentos para cicatrizes. Eles são encontrados prontos ou com fórmula manipulada pelo médico dermatologista. Os cremes estão relacionados à hidratação e ao clareamento do tecido cicatricial para que fique mais semelhante à pele da região.

Como são feitos à base de ácidos como o glicólico, retinoico e salicílico, devem ser usados no período da noite e retirados de manhã. Além disso, é imprescindível o uso de protetor solar na área. São indicados para manchas de acne, espinhas e pequenas queimaduras.

Adesivo

São placas e tiras/fitas de silicone que servem tanto para evitar a cicatrização anormal da lesão, especialmente a pós-cirúrgica, quanto para tratar os sinais já existentes. Como exemplo desse tratamento, há os adesivos da supérbia.

Esses adesivos são produzidos em grau médico, o que significa que tem pouca probabilidade de causar alergias e irritações na pele. Além do mais, podem ser usados em casa mesmo, sem a necessidade de ir até clínica ou consultório.

Os adesivos de silicone são muito eficazes na prevenção e tratamento das cicatrizes hipertróficas e das queloides, tendo o resultado comprovado há mais de 20 de anos no mundo todo.

Dermoabrasão

É um procedimento em que o profissional utiliza um tipo de lixa para remover as camadas mais superficiais da pele, estimulando a renovação celular, a circulação sanguínea e a produção de colágeno. Dessa forma, é usado para suavizar as cicatrizes no rosto e também para rugas, linhas de expressão e outras irregularidades na pele.

Peeling químico e de cristal

Eles têm o mesmo princípio de ação de dermoabrasão, ou seja, retirar as células da epiderme de forma controlada por meio de uma esfoliação intensa para a renovação da pele. Eles reduzem as cicatrizes de acne, além de manchas e outras imperfeições.

O peeling químico é feito com uma solução química que permite essa descamação e regeneração celular. Já o peeling de cristal consiste em um jato que pulveriza partículas de cristal sobre a pele, fazendo o mesmo efeito, mas sem utilizar produtos químicos.

Laser

A cicatriz é exposta ao laser que aquece de maneira intensa a pele, epiderme e parte da derme. Assim, ele promove uma regeneração celular efetiva, permitindo que novas camadas de tecido sejam reconstruídas de maneira mais semelhante à pele, melhorando a aparência da cicatriz.

Preenchimento

Esse procedimento é muito usado nas cicatrizes atróficas. É feito o preenchimento da depressão da pele com injeções de colágeno, por exemplo. Desse jeito, a cicatriz ganha volume e fica com o mesmo nível da pele ao redor.

Embora seja um dos tratamentos para cicatrizes efetivos, não é permanente e necessita que seja reaplicado de tempos em tempos conforme a prescrição do médico dermatologista.

Microenxerto

O microenxerto tem o mesmo objetivo do preenchimento, mas com técnica totalmente diferente. Nele, o cirurgião médico transplanta pequenas partes de pele do próprio paciente (retiradas de trás da orelha, geralmente).

Assim, é possível nivelar e melhorar a aparência da área danificada. Esse método é muito utilizado em cicatrizes profundas de acne e outras lesões.

Cirurgia

Esse é um tratamento mais radical e caro, no qual o cirurgião remove a cicatriz com técnicas mais apuradas de cirurgia plástica para deixar a aparência da pele muito natural.

Por precisar de internação, a cirurgia é indicada em casos nos quais as marcas são largas, profundas ou até as mais antigas que não atenuam com os outros tipos de procedimentos.

Os tratamentos para cicatrizes visam suavizar a textura e cor delas, deixando-as mais parecidas com a pele original. Para saber qual é o procedimento mais indicado para cada caso, é fundamental consultar um médico dermatologista para a avaliação adequada.

Que tal receber todas as nossas novidades em primeira mão diretamente na sua caixa de e-mail? Aproveite que está por aqui e assine agora mesmo a nossa newsletter!

Posts relacionados