5 perguntas e respostas sobre os dermocosméticos

7 minutos para ler

Você sabe o que é dermocosmético? Esses produtos modificaram a relação entre saúde, bem-estar e autoestima, alinhando um tratamento qualificado e eficaz, voltado para o real problema de pele. Não é à toa que eles se tornaram uma grande tendência no ramo dermatológico.

Atualmente, existem milhares de produtos estéticos no mercado, mas nem todos têm substâncias químicas que realmente atuam na resolução do problema e no reestabelecimento de todas as camadas da pele da paciente.

Se você não conhece os dermocosméticos ainda, fique tranquila! Neste post, respondemos às perguntas mais comuns, com todas as informações que você precisa saber sobre eles. Confira!

1. O que são os dermocosméticos?

É muito comum encontrar pessoas que confundam os dermocosméticos com os cosméticos, mas você precisa entender que são coisas diferentes, embora tenham nomes parecidos.

Os cosméticos são aqueles produtos que trabalham superficialmente, amenizando os problemas da pele, mas não os solucionando, como um medicamento, por exemplo. Isso acontece porque eles não têm ativos farmacológicos, que permitem a ação nas camadas mais profundas da pele.

Já os dermocosméticos têm, em sua fórmula, várias substâncias químicas com caráter de ativos farmacológicos, que agem como um intermediário entre os cosméticos e os medicamentos, melhorando o problema de dentro para fora e não superficialmente.

É importante lembrar de que, para que seja considerado um dermocosmético, é preciso ter um registro grau dois na Anvisa e ter uma comprovação científica dos seus efeitos. Antes que um produto possa ser considerado um dermocosmético, inúmeros testes são feitos com pessoas de diferentes idades e tipos de pele, com o objetivo de saber se aquela substância é realmente efetiva. Isso por si só, já garante mais segurança e eficácia para quem usa.

Os dermocosméticos também não têm perfumes, corantes e conservantes, sendo hipoalergênicos e fáceis de serem utilizados por pessoas que sejam mais sensíveis e suscetíveis de alergias, por exemplo.

Alguns exemplos de produtos dermocosméticos incluem os cremes hidratantes que são usados para tratar a celulite, já que essa é uma condição que afeta as camadas mais profundas da pele. Os séruns e cremes contra rugas e marcas de expressão também são exemplos de dermocosméticos, além dos produtos que tratam a acne e as espinhas.

2. Como eles agem?

A pele é dividida em três camadas: epiderme, derme e hipoderme. Como você já percebeu, os dermocosméticos atuam nas camadas mais profundas da pele, como a derme e a hipoderme.

Parte do conceito de o que é dermocosmético é, justamente, o fato de que eles realizam modificações fisiológicas sem obstruir os poros, permitindo que a pele respire naturalmente e potencializando o tratamento do problema, garantindo mais eficiência e resultados.

Em contrapartida, justamente por agir internamente, os efeitos podem demorar para aparecer, mas são muito mais duráveis em comparação com os cosméticos. Esse é um tipo de tratamento progressivo, que é mais efetivo conforme o uso contínuo dos produtos.

Como os dermocosméticos penetram na pele de forma profunda, é possível sentir seus efeitos por muito mais horas que os cosméticos regulares, que costumam secar em contato com o ar e que saem com facilidade da pele.

Ainda, a maneira que os dermocosméticos agem depende, também, do foco do produto. Se você tem problemas com rugas e flacidez, por exemplo, provavelmente terá que usar um produto para cada coisa, pois as fórmulas variam de tratamento. Quem tem problemas com manchas na pele, precisaria utilizar, ainda, um terceiro produto, que tenha como enfoque a pigmentação.

Alguns dermocosméticos podem ser combinados, mas no geral, seu uso depende da orientação de um médico dermatologista, já que algumas substâncias podem ter um efeito contrário às outras, se anulando ou, até mesmo, causando mais danos do que benefícios em si.

3. Para que são indicados?

Além das rugas e flacidez, esses produtos podem ser utilizados para combater inúmeros problemas dermatológicos que têm origem nas camadas mais profundas da pele. São problemas como a celulite e as linhas de expressão, além das olheiras e manchas.

Alguns dermocosméticos podem, ainda, atuar em cicatrizes e acne, que acontecem nas camadas mais externas da pele, mas que podem ser tratadas de forma progressiva. Assim, aos poucos, o paciente deixa de ter novos cravos e espinhas e melhora continuamente a aparência de suas cicatrizes. 

Ainda, existem linhas com produtos pró-idade, cremes de hidratação profunda para peles que são extremamente secas e também protetores solares que são capazes de proteger contra a radiação UV.

4. Quais são seus diferenciais?

Todo dermocosmético precisa de um embasamento científico para ser liberado para o uso e aprovado pela Anvisa. São medidas de segurança que tornam o produto seguro para o uso de qualquer indivíduo, impedindo danos colaterais e queimaduras químicas. Além de outros problemas que podem ocorrer com o uso de produtos não-aprovados.

No fim, a aprovação da Anvisa garante uma série de benefícios que outros produtos não têm. Para facilitar, listamos alguns de seus diferenciais:

  • podem ser usados por pessoas com peles sensíveis;
  • melhoram a elasticidade da pele;
  • têm efeito mais prolongado e duradouro;
  • protegem a pele contra o sol, vento e poluição;
  • aumentam a taxa de lipídio;
  • hidratam o corpo mais profundamente;
  • regeneram a fisiologia cutânea.

Tenha em mente que, para a conquista de um bom resultado, é importante ter disciplina, como em qualquer outra área da vida. Incorpore o uso do dermocosmético em sua rotina diária de beleza e passe a ver os resultados conforme os dias passam.

A aplicação frequente e o cuidado com a pele constante, com o uso de cremes hidratantes e protetor solar, são fundamentais para combater o problema com eficiência e se beneficiar dos diferenciais que só um produto dermocosmético pode oferecer.

5. O que é preciso avaliar ao escolher um dermocosmético?

Primeiramente, consulte-se com um dermatologista. De maneira geral, não é necessária uma receita médica para adquiri-los. Contudo, o ideal é instruir-se com um médico qualificado, para garantir que o produto melhorará, de fato, o seu caso. Assim, você não corre perigo de prejudicar sua saúde e ter gastos financeiros desnecessários.

Os dermatologistas têm amplos conhecimentos nas variedades de produtos que existem no mercado e são capacitados para tratar cada problema com o dermocosmético necessário para tanto.

Muitas vezes, os produtos podem ser um pouco mais caros que os cosméticos, sendo facilmente encontrados em farmácias e drogarias diversas. Por isso, indicamos realizar a compra online, já que o preço pode ficar mais em conta. Além disso, você pode fazê-la no conforto de sua casa. Lembre-se de escolher uma loja confiável, ok?

Os dermocosméticos são capazes de entregar resultados reais, adequados àquilo que sua pele precisa no momento. Para tanto, procure sempre um dermatologista para acertar na escolha e investir na sua qualidade de vida!

Agora, que você já sabe o que é dermocosmético, entre em nosso site e aproveite para descobrir nossas linhas de cuidados com a pele, com o cabelo e com o corpo.

Posts relacionados

2 comentários em “5 perguntas e respostas sobre os dermocosméticos

Deixe um comentário