Queloides: entenda o que são e como evitar o surgimento

Queloides: entenda o que são e como evitar o surgimento

Cicatrizes são alterações que não representam riscos à saúde das pessoas, mas elas podem causar muito desconforto estético. Provavelmente, você já deve ter se perguntado como evitar queloides, certo? Após cirurgias, é importante colocar em prática alguns cuidados, para que a região operada não desenvolva as lesões de queloides.

O quadro surge depois do processo de cicatrização, que é complexo e necessário para a formação de um novo tecido que tem a função de reparar uma descontinuidade na pele.

Acredita-se que não existam queloides espontâneos, sendo que essas lesões costumam estar associadas à cicatrização de ferimentos, que podem ser muito pequenos e, por isso, o paciente não os tenha notado como acne ou picadas de inseto.

Neste conteúdo especial sobre o assunto, você vai entender o que são queloides, as principais causas e dicas de como evitar queloide. Acompanhe a leitura e descubra!

O que é e quais são as causas do queloide?

O queloide é caracterizado como um tecido que se forma na pele, fibroso e alongado. Ele está associado à hipertrofia de cicatrizes. Isso significa que o queloide representa um crescimento anormal, mas benigno, de tecido cicatricial — no caso, o colágeno. Essa proteína se desenvolve ao redor da pele lesionada e ajuda no selamento da ferida.

Ou seja, são lesões fibroelásticas salientes, avermelhadas, rosadas ou escuras. Qualquer tipo de ferida aberta pode virar um queloide, especialmente em pessoas mais propensas a isso. Tal tipo de cicatriz pode surgir após acnes, cirurgias, cortes e colocação de piercings na orelha ou no nariz. Ela tende a ser maior do que a própria lesão original e pode levar semanas ou meses para se desenvolver completamente.

O problema ocorre em ambos os sexos, mas tem maior incidência nas mulheres. Outros fatores interferem na formação dos queloides, como o tipo de trauma que o tecido sofreu, a idade do paciente e a fase hormonal em que a pessoa se encontra. Durante a puberdade ou na gravidez, por exemplo, as cicatrizes são piores do que em outros momentos da vida.

Queloides são raros na infância e na velhice. O quadro é mais comum entre a puberdade e os 30 anos, ao passo que as regiões do corpo mais suscetíveis ao seu aparecimento são: os ombros, a área do tórax, as orelhas e o rosto.

Como evitar esse problema?

Os queloides podem surgir por diversos motivos, mas ainda não existe uma cura para a questão. Por outro lado, há muitas formas de se minimizar a formação das cicatrizes. Destacamos que essa situação é muito particular e varia de um paciente para o outro, do tamanho da lesão e dos cuidados tomados durante o processo de cicatrização. Separamos algumas dicas que podem ajudar você a evitar ou minimizar o risco de aparecimento dos queloides. Confira!

Usar tiras (ou fitas) e placas de silicone

Os produtos feitos com silicone são usados há mais de duas décadas no tratamento de cicatrizes em todo o mundo. Esse material é altamente eficaz para evitar queloides e tem melhorado a vida de muitos pacientes. Além de manter a área hidratada, a compressão ajuda a reduzir a vascularização e inibir o crescimento da cicatriz. As fitas e placas de silicone são indicadas para as seguintes situações:

  • pacientes que passaram por qualquer procedimento cirúrgico e não querem ter incômodos com a aparência da cicatriz;
  • pessoas com cicatrizes antigas que ainda apresentam um aumento de espessura;
  • indivíduos com cicatrizes recentes que queiram tomar todos os cuidados para que elas não se transformem em queloides;
  • pessoas que desejam tratar qualquer área do corpo que apresente uma cicatriz — causada por traumas, feridas ou queimaduras — totalmente curada, mas que tenha resultado em uma marca indesejada quanto ao aspecto (seja coloração ou espessura);
  • quando há alguma predisposição ao desenvolvimento de queloide, seja devido a reações ocorridas em outras cicatrizes ou ao histórico familiar, e a pessoa deseja evitar que a nova ferida chegue a essa situação.

É importante usar os adesivos depois que a lesão tenha cicatrizado completamente e a pele não apresente sinais de inflamação ou irritação. A tira (ou a placa) deve ser cortada do tamanho necessário para cobrir a região.

Aplique-a na pele limpa e seca, sem passar nenhum creme na cicatriz, pois o produto pode prejudicar a aderência e reduzir sua eficácia. Retire o adesivo apenas para tomar banho e coloque-o logo em seguida, novamente com a pele seca. Dependendo da situação, é recomendável não retirar o adesivo até que o material perca a capacidade de aderência e não grude mais na pele.

Mas, essa recomendação deve ser feita por um especialista. O tempo de tratamento varia de acordo com a necessidade do paciente. Vale destacar, porém, que não existe restrição para o uso prolongado das fitas e placas de silicone. Entenda melhor como funciona:

Se você quiser se aprofundar no assunto, confira este Guia das Cicatrizes gratuito. Nele mostraremos para você tudo o que você precisa saber sobre as cicatrizes, desde sua formação até as melhores formas de tratamentos.

E aí, gostou desta leitura? Entre em contato conosco e conheça melhor os nossos produtos!

Quer ficar por dentro de todas as novidades do mundo da beleza?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

3 Comentários

  1. Bom dia ! Eu tenho queloide no meu caso não apareceu por cirurgia devido as ou picada de inseto picou fica a bolinha eu uso adesivos ajudou muito .apareceu no braço e além de coçar na região.tenho um médico que me acompanha dermatologia cledison.E muito ruim isso .

    1. Bom dia, Joseth. Tudo bem? E as Fitas de Silicone têm funcionado para o seu caso?

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quer ficar por dentro de todas as novidades do mundo da beleza?

Se inscreva aqui!X